segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Os Manos e as Minas: 26) Sander Mecca, desestruturando

por Vanessa Curci
Havia algumas profissões que me deixavam encafifado. Um mecânico, por exemplo. O que levaria um cara a escolher tal profissão? Daí, depois de muito pensar, cheguei a uma resposta. O amor. Sim, o amor. Há aquelas profissões que um camarada só aceita por falta de opção. Lixeiro, por exemplo, servente de pedreiro, porteiro etc. Mas mecânico, não. Um mecânico é aquele cara que adora carros, que desde moleque sempre teve curiosidade em saber mais a respeito do funcionamento desses bichinhos que caminham sobre quatro rodas. O mecânico é o médico dos automóveis. E porque os ama. Só isso explica o sujeito ficar o dia inteiro cheirando a graxa, óleo, gasolina. Eu respeito muito um profissional que escolhe sua profissão com base no amor. E é exatamente por isso que eu respeito Sander Mecca.

domingo, 20 de novembro de 2016

Grafite na Agulha: 39) Falso Brilhante, de Elis Regina

Mais uma vez conto com a contribuição da talentosa (e generosa) pena de Helena Tassara em minha coluninha sobre discos. E Helena vem preencher uma lacuna que persistia ainda por aqui: a falta de um disco de Elis. Acrescento que não houve coincidência, este texto foi pensado pra ser publicado na semana em que estreia o filme sobre a cantora. Costumo apresentar aqui o/a colaborador/a, mas, como Helena é reincidente, deixo o link de seu texto anterior, pois lá estão informações sobre ela e deliciosa prosa a respeito do disco Alucinação, de Belchior (aqui). Antes de irmos ao texto sobre Elis, preciso avisar aos apressados que se trata de leitura pra fortes, pois Helena usou e abusou de seu talento de pesquisadora pra trazer pra cá um trabalho detalhista digno de constar de cadernos de cultura de jornais de primeira linha. Aos preguiçosos, sugiro leitura em conta-gotas, pois cada palavra escrita vale muito a pena. De quebra, fica aqui também como farto material pra futuros pesquisadores. Vamos a ele, pois:


quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Crônicas Desclassificadas: 180) A história das gêmulas Lignina e Suberina

Era uma vez duas lindas e floridas gêmulas, Lignina e Suberina, que, apesar de idênticas na epiderme, eram completamente distintas no temperamento. Viviam elas felizes no distante e pacato reino de Catafilos. Nossa haustória teve seu começo no exato momento em que ambas deixavam seu doce fascicular pra dar um passeio de pericicleta pela periciclovia da orla, logo ali à beira da Praia dos Parasitas. Como era sábado, não havia caules, e Lignina, como em todos os sábados, não tendo que estudar, estava toda pilosa. Aliás, cá pra nós, Lignina era uma moçoila um tanto epífita, aluna mediana que, fraca nos caulículos, odiava exatas, principalmente meristemática, e a pulso conseguira decorar a tabular do 5.

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

A Palavra É: 20) Septo

Os poetas vemos uma
borboleta; 
e você?
Um amigo cujo nome não posso revelar, a pedido do próprio (não confundir com o mesmo!)... Hmmm... Dá pra dizer apenas que suas iniciais são MP, como as de medida provisória. Bem, o fato é que ele me confidenciou que vai entrar na faca, pra tratar do desvio do septo. E em plena véspera de meu aniversário. Marcou de propósito, pra que seja uma véspera inesquecível. Se eu fizesse festa, ele seria ausência garantida. Mas o culpado não teria sido eu, e sim o tal do septo, que faz algum tempo se desviou do caminho cepto – e o trocou pelo erradpo. Pra quem não sabe o que vem a ser o septo (como era meu caso até segundos atrás), não custa nada uma visita ao pai dos burros.

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Entrevistando: 12) Zeca Baleiro no Na Minha Casa

Craque é craque. E quando dois craques se encontram já dá pra adivinhar o que vem pela frente. O toque de bola sofisticado nem carece de treino. Vavá e Garrincha, Pelé e Tostão, Sócrates e Zico, Bebeto e Romário, Rivaldo e Ronaldo, mais recentemente Messi e Neymar... Dá gosto ver, né? Do mesmo modo, botar frente às câmeras dois craques da canção como os manos Adolar Marin e Zeca Baleiro e dar a cada um deles um microfone e um violão é algo que ao mesmo tempo é previsível e surpreendente (né, Fernando Freitas?). Previsível porque sabemos que a vitória está garantida. Surpreendente porque nunca somos capazes de adivinhar as jogadas que os caras vão inventar, as tabelinhas que farão, os dribles que darão. Nesse caso, o gol, mais que ser um detalhe, é uma inevitabilidade. Nossa única certeza é a de que o placar jamais terminará em branco. Ou em brancas nuvens, como prefiram.