segunda-feira, 9 de abril de 2018

Esquerda, Volver: 18) Lula, uma ideia

Por Francisco Proner Ramos
"Nunca antes se roubou tanto neste país" é a frase que mais ouvimos sair da boca dos inocentes úteis. Como se roubar no Brasil fosse uma novidade petista, ou melhor, petralha. O que esses inocentes não sabem é que antes do governo petista nenhum presidente deixava ir em frente qualquer investigação que ousasse chegar a seus calcanhares. Não à toa, o procurador-geral do governo FHC foi apelidado de "engavetador-geral". A História, todos sabemos, é contada pelo viés dos vencedores. Fernando Henrique Cardoso, no entanto, a menina dos olhos dos intelectuais, sociólogo, professor universitário, escritor etc., quando virou presidente pediu pra que esquecessem o que ele escrevera. Ou seja, abandonou as convicções e se deixou engolir pelo poder. Tanto, que não fez seu sucessor...

Lula não só fez sua sucessora como também a reelegeu. E mais: durante o governo petista, a Polícia Federal e a juizada toda tiveram liberdade total pra investigar, julgar e prender. Assim, a frase com a qual iniciei esta prosa poderia ser "Nunca antes se investigou tanto neste país". Vamos criticar o PT? Boralá. Aliou-se ao Diabo (com maiúscula) pra chegar ao poder e blá-blá-blá. Concordo. E fui sempre crítico a isso (às vezes ingenuamente). Entretanto, o próprio Lula costuma dizer que é mais fácil ser oposição que situação e que todos esses partidos de extrema esquerda que o criticaram deviam antes ter uma experiência de governo. Mais uma vez concordo. Esqueçamos a ditadura e tratemos de Tancredo Neves pra cá.

Tancredo, que após sua morte foi quase canonizado, teve que se aliar ao Diabo e, morto, pôs em nosso colo um presidente — a saber, José Sarney, seu vice — que nada mais era que um representante direto dos milicos(!!!). Seu partido? PMDB. De lá pra cá, pouca coisa mudou. Entre os vices, por incrível que pareça, quem teve o melhorzinho foi justamente Fernando Collor (Itamar Franco). FHC teve como vice Marco Maciel; Lula, José de Alencar (que, comparado a Temer, foi quase um santo); e Dilma, todos sabemos, o golpista Michel Temer, também conhecido como "vice decorativo" e, nas palavras de Romero Jucá, o presidente do "pacto nacional (com o Supremo, com tudo)" e que segue no poder, apesar de tudo, tentando vender o Brasil no pouco tempo que lhe resta até a volta ao ostracismo.

Isto posto, voltemos a Lula. Se eu acho que ele é inocente? Não, não acho. Entretanto, nem mais nem menos que seus antecessores. Como diz um ditado que gosto de repetir, "não tem virgem na zona". A diferença é que existem culpados e culpados. Lula, como todo grande homem, nunca pensou em si em primeiro lugar — ao contrário dos homúnculos como Doria, Alckmin, Aécio etc., que sempre tiveram sede de poder pra usá-lo em benefício próprio. O primeiro, Doria, todos sabemos que possui uma palavra que não vale nada. "Não político", foi o mais político de todos, a ponto de trair o próprio padrinho em sua ambição pelo poder e abandonar prematuramente a Prefeitura mesmo tendo jurado que não o faria. O segundo anda "pianinho", se fazendo de morto, entregando obra incompleta e rezando pra chegar incólume até as eleições. Já o terceiro, que do pó veio e do pó nunca saiu, exigiu recontagem de votos após sua derrota nas urnas e deu início a uma perseguição que impediu Dilma de governar, e hoje todos sabemos quem é — quer dizer, todos menos Cármen Lúcia.

Nesse parangolé todo, a maior vergonha alheia que sinto é a de nossas "sóbrias" instituições, que tiveram o despudor de agir desde o princípio como um tribunal de exceção no que diz respeito a Lula. E aqui eu peço vênia aos amigos coxinhas pra que tentem por um momento deixar de lado o ódio natural ao "analfabeto" Lula e experimentem pôr em seu lugar algum ente querido. Pode ser um político que represente sua classe, pode ser um tio, um avô ou, pior, um filho!!! E por aí vai... Pensaram? Vocês dormiriam sossegados sabendo que há uma Justiça que persegue fulano e não tem vergonha nenhuma de assumir o medo da tal "opinião pública"? Aliás, que opinião pública é essa? A dos grandes meios de comunicação?

O momento em que vivemos é tão surreal que chega a ser hilário que uma das vozes que mais têm se levantado em favor de Lula seja justamente a de um inimigo histórico do petismo, ou seja, Reinaldo Azevedo. Sim, justo aquele que cunhou o termo "petralha". O Az(ev)edo hoje, dentro da "grande imprensa", surge com mais lucidez que um Ricardo Boechat da vida, que dia desses entrevistava Pepe Mujica e hoje, não sei se com medo de perder o emprego, posa de "isentão", com aquele discurso vazio de "cadeia pra todos", como se não soubesse que isso é conto de fadas. Indo na mesma onda do diretor José Padilha, este sim um fulano que deixou a "glória" subir à cabeça. Tanto, que em ano eleitoral sua netflixiana série O Mecanismo chega como propaganda eleitoreira de pura má-fé. Disso tudo, lamento mais por Selton Mello, que, pra tentar o sucesso internacional que conquistaram os colegas Wagner Moura e Rodrigo Santoro, desceu tão baixo que manchou sua até então louvável biografia.

Acabo de assistir ao último discurso de Lula. Caramba, meu! De onde o cara tira essa força? Ele é o exemplo perfeito de uma frase que gosto de usar: "Quem é, é; quem não é, não é." E Lula é. Não preciso nem dizer tudo o que seu nome representou (e ainda representa) no mundo, não preciso dizer que Barack Obama o chamou "the guy", não preciso dizer que as melhores cabeças pensantes deste planetinha têm por ele imensos respeito e admiração não só por tudo o que ele fez pelo Brasil, mas sobretudo pelos caminhos que apontou pra erradicação da fome mundo afora... Não, não preciso dizer nada. Só preciso dizer que os que o condenaram não valem seu mindinho amputado. Dê poder aos pequenos e veja como se faz uma Lilliput. Tente calar um grande e veja como ele cresce ainda mais. Parafraseando o próprio Lula, prenderam o homem, mas o que ele representa se espalha do lado de fora da cela.

Durmam com a foto acima nas retinas (né, Adolar Marin? — "Mas nossa prole é uma praga/ Que nem a guerra apaga/ Multiplicamos os ramos/ Cabemos em cada fresta/ A nossa prole é uma praga/ Que, um dia, o mundo, infesta...).


***


***



8 comentários:

  1. Sim, parceirinho! A nossa prole é uma praga. E a resistência o nosso caminho natural. Aqui em casa, ambos andamos meio borocochôs. Tudo muito surreal, tudo quase impossível de se acreditar. Não é pra menos: a cada dia percebo que foi tudo milimetricamente planejado, desde o cheirador contestando os votos após as eleições, até o STF agora negando o HC pro presidente.
    Mas, deixa eu dizer uma coisa, Leléo: como eu admiro esse pernambucano que adotou a minha Bernô (São Bernardo do Campo) como sua terra também. Lula é uma força da natureza, como você disse no texto. É vencedor, já está na história e suspeito que ainda vá concorrer às eleições. Não joguei a toalha, não jogo!
    Resisto. Insisto.
    Abraços gonçalvinos pra tu!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dodô, assino embaixo. Só não tenho essa sua fé. Já tenho analisado outras opções.

      Abraços toquiotas,
      Léo.

      Excluir
  2. Parabéns pelo texto Léo! O Brasil vive um pesadelo sem fim! Não consegui comemorar nem mesmo a vitória do Corinthians sobre o Palmeiras conquistando o "Paulistão". Durante o jogo fui andar no parque com a minha esposa. Eu fiquei perplexo com as notícias da prisão de Lula. Ver pessoas soltando fogos de artifício e batendo em panelas durante a detenção de Lula pela Polícia Federal deu um grande vazio! Existe a elite que não quer que as coisas mudem, porque ao invés da distribuição de renda, aqui em terras tupiniquins persiste o acumulo de renda para poucos, mas ver também parte do povo humilde comemorando a prisão dele e aplaudindo seus algozes é de pirar o cabeção! O Brasil não é para principiantes! Abraços da resistência!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Totó, a lavagem cerebral é grande, e vem de priscas eras. É preciso ter muita força pra não esmorecer. Tô alerta.

      Abração,
      Léo.

      PS: Sobre o Palmeiras, mudemos de assunto. rsrs

      Excluir
  3. Leozinho, Parabéns! Só não concordo com o que disse sobre o R Azevedo. Aquilo é cobra criada e tem interesses outros nessa virada de opinião.
    Izabel Schneider

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro, Zabé. Lucidez em causa própria. rs

      Beijos,
      Léo.

      Excluir
  4. Ótimo texto Léo!
    Ótima análise
    Beijo

    ResponderExcluir