terça-feira, 5 de julho de 2016

Cançonetas (7) + Trinca de Copas (36): Fernando Cavallieri, Marcio Policastro e Pedro Moreno


1) CIDADE ABERTA

Há algum tempo, pensando em minha relação de amor e ódio com a cidade de São Paulo, compus um soneto duplo batizado de Soneto Paulistano, que acabou ficando engavetado por falta de parceiro afim. Só que, há algumas semanas, quando fiquei sabendo que o usurpador Michel Temer era o primeiro presidente paulista em 110 anos, resolvi, num dos tantos encontros da MPB Universitária no Garagem Vinil, recitar o bendito double soneto e "dedicá-lo" ao Temerário. Fernando Cavallieri, que estava presente no dia, gostou do poeminha e me pediu autorização pra musicá-lo. Poucos dias depois, já rebatizada de Cidade Aberta, nasceu a canção que ora divulgo em primeira mão:

CIDADE ABERTA
Fernando Cavallieri – Léo Nogueira

I

Lá, onde o preconceito faz quermesse,
Onde a felicidade é uma oração
Lá, onde, em se plantando, nada cresce
Ali, plantei também meu coração

Um reino existe ali, desencantado,

Envolto em névoas e poluição
Pra lá eu sempre volto, aniquilado
Na hora em que me arrancam do avião

A chuva mata mais do que chacina

As árvores desabam nas esquinas
O céu é um manto negro de carvão

Barulho e caos nos servem de calmante

Os suicidas sentam-se ao volante
O celular engana a solidão

II

A juventude, atrás da tatuagem,
Vai maquiando sua frustração
O mar, ali, não passa de miragem
E os cães morrem de raiva ou depressão

Cidade de infeliz geografia

Onde infelizes comem macarrão
Obesos e brindando à hipocrisia
Que apelidaram civilização

Cidade aberta a todos, noite e dia

Explodem vidas na periferia
E o sangue escorre, inútil, pelo chão

São Paulo é meu futuro do passado

Com quem eu faço amor, sem ser amado
Ali plantei também meu coração

***



2) TERMINAL

Fazia tempo que eu não publicava novidades na coluna Cançonetas, dedicada a sonetos musicados; então, como tive dois que foram musicados recentemente (o acima e este), resolvi mesclá-la com o Trinca de Copas, já que a terceira canção não é um soneto. Esse Terminal ganhou melodia de Marcio Policastro, e, apesar de aparentemente se tratar de uma canção de (des)amor, pode ser entendida também como uma metáfora dos dias atuais, se trocarmos o coração pelo Palácio da Alvorada e a musa invasora pelo atual usurpador travestido de presidente da República interino. Os puros de coração e a gente de bem podem ficar com a primeira interpretação; quanto aos demais, refestelem-se com os palavrões escolhidos a dedo pra ilustrar essa perniciosa relação. A ela:

TERMINAL
Marcio Policastro – Léo Nogueira

Não se trata de albergue pra mendigo

Nem de leito pra enfermo terminal
Se não ouve ninguém além do umbigo
Vá cortar seu cordão umbilical

Não se trata da casa do caralho

Mãe Joana jamais morou aqui
Nem pra puta que pariu é o atalho
Se quiser chegar lá, que vá por si

Se é capela ou pensão o que procura

Quem sabe uma prisão, uma clausura
Te oriento a ir noutra direção

Nem bordel, nem hotel e nem hospício

Nem palanque em carência de comício
Mais respeito com esse coração

***



3) UM MINUTO NA ETERNIDADE

Meu mano Pedro Moreno me tem sido, durante o razoavelmente pouco tempo em que o conheço, fonte constante de inspiração. Vira e mexe, ele surge com algum comentário cuja ideia é altamente letrável ou mesmo com uns versos inacabados ou ainda uma prosa poética, e lá vou eu me apossar do que ele deixou escapar e transformar em letra de música. Obviamente, devolvo a gentileza e lhe entrego o produto final pra que ele o musique. Uma de nossas mais queridas parcerias nasceu de situação semelhante. Comentava ele sobre o peso do passar dos anos e a obra madura de nossos velhos papas da canção, daí não pensei duas vezes e transformei o assunto na letra desta Um Minuto na Eternidade, que ele, naturalmente, musicou. O vídeo abaixo é parte do programa La sala en casa, que coincidentemente flerta com o Na Minha Casa de Adolar Marin (vejam-no na íntegra aqui). Confiram:


UM MINUTO NA ETERNIDADE
Pedro Moreno – Léo Nogueira

Sou velho e moço

Um poço sem fim de possibilidades
Um macho enxuto
No auge absoluto da vitalidade

Sou moço e velho

Encaro o espelho com serenidade
Me calo e escuto:
O que é um minuto na eternidade?

Quem nunca para pra pensar passa batido

E tarde pensará no que teria sido
Os anos passam como carros numa estrada,
Mas só levamos, do caminho, a caminhada

Longevo e jovem

Me movem pra frente as forças dessa crença
Por isso eu vivo
Pra quem tem motivo, a vida é imensa

Mais velho é o mundo

E segue aí, fecundo e atemporal
Envelhecer
É apreender, do efêmero, o imortal

***


4 comentários:

  1. Quem for ao Show de amanhã no Garagem Vinil ouvirá ao vivo "Cidade Aberta". Se chegar pelo menos até as 21:30, of course... :-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí, Cava! Tenho recitado esse soneto em alguns saraus, e a resposta está sendo bastante favorável; cantado então...

      Excluir
  2. Léo, parceirao! Esta letra nasceu de um comentario que fiz de uma publicaçao tua sobre o Caetano Veloso (acho que era, Vinil, no qual vc falava sobre as mudanças do "Mano Caetano" ao longo da carreira. Nao me lembro extamente o teor do comentario, mas era mas ou menos que o cantor baiana nao um camaleoa, nao envelhecia.

    Também musiquei um soneto teu, lembra, chamado,Gentes?

    Abraçao querido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Salve, Pedrão!

      Grato pelos detalhes! Aliás, acrescento que você musicou outro soneto, "Desistências", lembra?

      Abração,
      Léo.

      Excluir