quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Ninguém me Conhece: 4) Vlado Lima, 86% mau

A verve ferve nervosa no verbo perverso (frente e verso) de Vlado Lima. E na prosa. E na rima. Anárquico, sarcástico, circense, cigano, nonsense. De humor mordaz, sem mordaça, desbocado, manguaça, vindo lá das bocadas. Lotado. Mora longe e é folgado. Não o convide pra jantar! Ele aceita (e ainda pede a receita). Não lhe ofereça a maçã. Não lhe apresente a irmã! Ele aceita. Não lhe apresente o seu pai! Vai que ele vai… Vlado é uma trombada de Chacrinha com Jece Valadão na banguela (na janelinha), na contramão, a 300 km por hora em noite de lua cheia, com multa, juros e mora (“pronto pra trair seu coração depois da última ceia”). Contam que Zé do Caixão, quando o viu na carreira numa sexta-feira da Paixão (13)… amarelou! E Vlado sussurrou: “Reze”. Vlado é o rebento resultado do cruzamento de Mano Brown com Aldir Blanc… Num baile funk. É uma tabelinha de Felipe Melo com KakáTango, bolero, chachachá. John Wayne. John Fante. Inferno de Dante. É perifa, é pife, PF, é rifa, é blefe. É geral, é Juventus x Portuguesa, é neandertal, maluco beleza, agitador cultural. É marginal. E é poeta. Penetra. Pirata. Vira-lata. Cama de gato. E tá na febre do rato! Vlado não é de etiqueta, é de estampa. Pimenta malagueta. Panela sem a tampa. Seu MadrugaChe Guevara. Uga uga! Sem Odara. Churrasco na chácara, carrasco (sem máscara) do bom-gostismo vigente. Palita os dentes e arrota Freud ouvindo a dupla Pink Floyd. É um cara mau. 86% mau! Comeu o lobo e disse “miau”! É pau. É pedra. É o fim do caminho… Um homem na estrada. Um torto sozinho. Quando “a solidão uiva como um cão sem dono” atrapalhando, dos justos, o sono, Vlado gargalha, com aquela ruiva (ou seria morena?), no gogó uma metralha, na mão esquerda, um goró. É canalha (e não manda fulô). Vade retro, coisa ruim! “Naquele dia o sol ardia e acho que só chovia em mim”. O puteiro das universitárias é seu parque. Aonde vai só pra encontrar Joana, a dark, tomar umas brejas, dar uns beijos (e uns bocejos), falar de política, filosofia e outros micos. Cê sabe, essas coisas, SócratesPlatão e Zico. Sambista roquenrol, Adoniran de guitarra, ray ban em noite de sol, coça o saco e escarra, peida em elevador (na maior classe), come pizza, toma passe, adora cair na night. Literalmente! Ri da high society, inventa mas não mente. Orgulho nacional, três vezes vice-campeão do torneio internacional de futebol de botão. No palitinho, então... Vixe! Nossa! Saída pela esquerda, mon cheri. Caminho da roça. Corta as unhas dos pés com alicate. O mano do açougue é seu alfaiate. Dizem que tá gravando um CD (pirata) e pra lançamento já tem data: até o próximo Natal estará à venda em casas de má fama, tendas de tarô, na mão da cigana, com o flanelinha, seu dotô!, enfim, em todos os camelódromos de responsa do Brasil. Zil zil. Ótimo presente pra dar pro amigo (da onça) ou de amigo secreto pra aquela mina do RH (mó tesão) que só ouveAraketuVercilo e Charlie Brown (jr.). Adora cozinhar, KurosawaMazzaropi, mangá, UltramanTom (Waits) & Jerry (Lewis), filmes do Tarzan. É DJ de festinhas retrô à la anos 70. Recita (no original) Bashô (ou tenta). Pôs pra correr “o cara” e tomou o ponto, lá onde Judas vendeu as botas e Zorro, o Tonto. Contrabandeia versos proibidos e fanta uva vencida. Com recibo. Vlado Lima não fuma nem trafica (ipsis litteris); só come, não fica (ficar é pros ultrapassados). Vlado Lima se multiplica. Capaz das maiores proezas, escova os dentes com mostarda, falha mas não tarda, come buchada de bode sem camisinha e, de sobremesa, paçoquinha, passa fermento nos chifres e pimenta nas feridas (pra sentir a dor de um bolero), chuta o balde e volta pra estaca zero, vaca holandesa, vinho (suave) de mesa. Toma até gemada com kriptonita! Mas se vê um metrossexual… vomita! Se vê um mendigo comendo um pão amanhecido, pede um teco. E um tico. Um sujo numa noite perdida. Vê faroeste e torce pro cavalo do bandido. Lê Dostoiévski em quadrinhos (bem alto, pra irritar os vizinhos), compra Playboy pra ler a entrevista, (e pendura na maçaneta do banheiro: ocupado, não insista!). Com seus três superacordes faz canções de que até Ricardo Soares duvida. Prazeres da vida, diários de bordes. Quando dorme, o duende é que o vê. Dá entrevistas na língua do P. Na maior larica, comeu farofa em encruzilhada (ou terá sido feijoada?). Fortemente influenciado por RimbaudRamboBatman e Robin (Hood). E, se espirrar, f... saúde! Vlado Lima não é flor que se cheire. Quem me contou foram RafinhaRogériaRosemeire. Em tempos de politicamente correto, manda pra casa do reto o eufemismo (tá aí talvez o porquê de ter tido dificuldade com a faculdade de jornalismo). Ex-coroinha, ex-cantor de inferninhos, excomungado por fazer paródia com a Ladainha... Organizador do SopaDe Letrinhas. Pau. Pedra. Fim do caminho… Um homem na estrada. Um torto sozinho. Naquele dia o sol ardia e acho que só chovia nele. Mas ele é mau. Não tem medo nem do IML. Homem que é homem não chora. Essa coisa salgada que salta pelos poros e anda pela pele é agonia destilada, segundo ele. Vlado Lima é mau. 86% mau. Não queira conhecer os outros 14%! Mas Vlado Lima é um mau necessário. A nos acordar de um bem sonolento. Porrada no pâncreas dos otários. E olha que nem é violento! Cara feia pra ele é feiura mesmo. Tá com tudo e não tá pra torresmo. Vem da Vila Ré (de ré) (de pijama) na contramão. Pobre de marré, marrento, sem um tostão. O Chapolin das músicas perdidas e das almas encardidas. O Sílvio Santos dos descrentes. O Elvis Presley dos malas. Se você nunca ouviu, tire as crianças da sala! E os doentes. O cara é mau! E manhoso. O cara é foda. E odeia Caetano VelosoJoão Gilberto, então... Nem se fala! Tirem as crianças da sala! Não veio pra salvar porra nenhuma. Mas também aceita entrar numas. Prepare o seu coração. E o cotonete. Ele curte brincadeiras de mão. E (não) sabe onde (se) mete. Tá vendendo um violão. Já namorou uma chacrete. Já leu até o Tinhorão. Ainda vê videocassete. Montou um bar no Taboão. Ou lá na casa do cacete. Gosta de vodca com limão. De vez em quando picha o 7. Mas manja de fazer canção. Paro pra não jogar confete. Cartas de recomendação: favor tratar com a Suzethe.

***

Vlado também está no Caiubi.

***


1) euodeiocaetanoveloso.com.br (Vlado Lima)
Vlado Lima e Os Tropeçalistas

2) Canalhas Não Mandam Flores (Vlado Lima)
Vlado Lima e Os Tropeçalistas

3) Boleiros (Vlado Lima)


***


***

9 comentários:

  1. Muito bom o tributo a nosso bardo-kamikaze, o Homem-Bagaça! E, por sinal, nem foi o primeiro: há pelo menos um precedente, nada menos que um hino que compus para ele, e cuja letra permito-me reproduzir aqui.

    Um e-abraço,

    Ayrton

    HINO A VLADO LIMA
    Vlado Lima faz corar qualquer monge
    Vlado Lima é cheio de graça
    Vlado LIma chuta o balde mais longe
    Vlado Lima é o rei da bagaça
    Vlado Lima é um petardo que voa
    Vlado Lima é uma bala perdida
    Vlado Lima é mais que pessoa
    Vlado Lima é um estilo de vida
    Vlado Lima é como o bom vinho
    Vlado Lima não se estraga, não
    Vlado Lima odeia tiozinhos
    Vlado Lima vai ser um tiozão
    Vlado Lima ataca sem dó
    Vlado Lima não tem pra nenhum
    Vlado Lima não é pressão só
    Vlado Lima vai soltando pum
    Vlado Lima faz espalhafato
    Vlado Lima se esforça demais
    Vlado Lima pode ser candidato
    "Vlado Lima não pensa, mas faz!"

    ResponderExcluir
  2. Acho que os 14% bom de Vlado lima é tudibom, esse cara é bom a bessa! a parte 86%mau é charme... bj

    ResponderExcluir
  3. Além de retrato fiel, puta texto!!!

    ResponderExcluir
  4. Vlado Lima é o Gregório de Matos Guerra passado a limpo. Uma amigo pra gente contar, um cara genial. Digno desse texto maravilhoso! Um dos perfis mais perfeitos que já li. Parabéns a Vlado Lima e a Léo Nogueira.

    ResponderExcluir
  5. Oi Léo, falou e disse heim! Parabéns pelo texto. Tem mais duas pérolas do Vlado que adoro, são elas: " é foda não dá pra iventar a roda" e também " gotas de otimismo não, só bebo vodca". É isso ai, bom essas homenagens, esse incentivo ao cara, ele merece!!! Beijos

    Solange

    ResponderExcluir
  6. Ayrton, grande hino! Lucia, obrigado pelas palavras, tanto às dirigidas ao Vlado quanto às a mim. Monika, concordo 86%. Hehe! Aos visitantes novos, aceitem minhas boas vindas.

    Beijos do
    Léo.

    ResponderExcluir
  7. Meu querido Léo!!! A festa de 10 anos do Caiubi, além de pulverizar energia positiva, em quem estava lá,também serviu, para unir os amigos virtuais.rsrsr Entre tantos, o Vlado Lima chamou a atenção, com a sua irreverência natural. Soneka, Daniel Pessoa(havia alguns anos que não os via) estavam reluzentes com o sucesso da festa..rsrsr
    Tive o prazer de falar com Tavito,e ouvi-lo cantar "RUA RAMALHETE"que era uma de minhas preferidas, quando o Clube da esquina chamava à atenção pelo mundo. Tive a oportunidade de conhecer vários caiubistas,que no virtual, me enchiam de orgulho.srsr Mandavam mensagens, falando algo sobre minhas canções.
    Voltei da festa positivamente carregado (ìons positivos ou cation kkkk) Ainda estou em "estado de êxtase" acredita? Falavam-se em tantos caiubistas (presentes ou não)seu nome não saía da boca de um monte de gente.kkk
    Então... Você é um, dos bem cotados no clube. Parabéns!
    Do meu canto mineiro... Bem mineiro deixo aqui o meu abraço e minha admiração.
    MARINHO SAN

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Salve, Marinho San!

      É, a festa foi muito bonita. Senti algumas ausências, principalmente em se tratando de um aniversário tão simbólico como é esse de 10 anos, mas não tem jeito, sempre alguém vai ficar de fora. Lamento particularmente pela Kana, que ficou de fora dois anos seguidos, ela que é das poucas compositoras mulheres do Caiubi da rua Caiubi. Mas paciência... O show tem que continuar, mesmo sem alguns...

      Abração do
      Léo.

      Excluir