sábado, 6 de outubro de 2012

Crônicas Desclassificadas: 55) O aprendizado da perda

No decorrer da vida, por meio de árduo aprendizado, ficamos craques em perder. Já estreamos perdendo nosso primeiro lar, a barriga da mãe, e logo em seguida o peito dela; perdemos os dentes de leite; perdemos a infância (e, com ela, a pureza); perdemos a virgindade; perdemos aquela(o) garota(a) com quem teríamos dado tudo pra viver uma história de amor; saímos da escola e perdemos praticamente todos os amigos que lá fizemos; perdemos sucessivamente amores, empregos, tempo; perdemos a liberdade quando nos casamos (e tudo no qual investimos quando nos separamos); alguns perdem a fé, outros, a vergonha...

Perdemos avós, pais, tios, primos, papagaios, gatos, cachorros; perdemos a juventude, e com ela a certeza de que iríamos mudar o mundo; perdemos cabelo (ou se não, eles perdem a cor); perdemos a paciência; perdemos a crença na política (se é que um dia já tivemos); perdemos as cenas dos próximos capítulos; perdemos campeonatos; perdemos o voo, o trem, o bonde da história; perdemos o sono; perdemos o final do filme; perdemos horas e mais horas em consultórios, filas, estradas (que levam a lugar nenhum), ou em cursos nos quais perderemos o interesse em continuar; perdemos neurônios; perdemos a audição; perdemos a inteligência diante da televisão; perdemos grana; perdemos pênalti; perdemos os anéis (alguns, os dedos)...

Perdemos na loteria, no bingo da igreja, no jogo do bicho; perdemo-nos em antros de perdição; perdemos a boa forma; perdemos livros e CDs que não sabemos pra quem emprestamos; perdemos o dente do siso; enchemos a cara e perdemos o juízo (alguns, as pregas...); perdemos os fogos na virada (e, com ela, o ano que acabou); perdemos o eclipse; perdemos a chance de ir à praia quando fez sol e a de não ter ido quando choveu; perdemos horas em conduções lotadas; perdemos a oportunidade de dar aquele beijo por medo de receber um tapa (e perdemos o tapa por medo do beijo); perdemos a chance de nossa vida por preferirmos o conforto (e o tédio) do que ainda perderemos...

Perdemos o senso do ridículo; perdemos o chão (alguns perdem o teto); perdemos a oportunidade de admirar a dois a lua, as estrelas, o nascer do sol; perdemos aquela garota que foi lá fora fumar cigarro e nunca mais voltou; perdemos até a Copa de 1982 (sem falar na de 1950, mas essa eu perdi); perdemos na bolinha de gude, no videogame, no palitinho, nas damas, no gamão, no baralho, no ludo, no dominó, na sinuca, no xadrez (no xadrez, não, porque perdemos a chance de aprender a jogar); perdemos o quique da bola; perdemos a reprise de Um Corpo que Cai; perdemos tempo achando que sabemos escrever, compor, cantar, atuar; perdemos a humanidade nos shoppings...

Perdemos a ética, a honestidade, a integridade, a dignidade, o respeito do colega ao lado, por medo de perder um empreguinho que lá no fundo a coisa que mais queríamos era perder (e o colega, em nosso lugar, não perderia a chance de fazer o mesmo); perdemos um ano esperando as férias e, quando elas chegam, perdemos um mês tentando esquecer os doze que virão; perdemos a pose após algumas doses; perdemos a capacidade de escrever a mão; perdemos o idioma; perdemos tempo postando no facebook novidades que não interessam a ninguém (assumo minha parcela de culpa), mas que serão compartilhadas ou curtidas por todos, pra que o círculo vicioso das perdas não se perca...

Perdemos a individualidade e a privacidade; perdemos o gosto pelo silêncio; perdemos o sentido da importância da solidão; perdemos o bom gosto; perdemos espaço em casa acumulando coisas de que não precisamos e das quais, se viermos a precisar, não saberemos onde guardamos; perdemos várias oportunidades de não sermos hipócritas; perdemos a chance de acertar por medo de errar; perdemos o guarda-chuva; perdemos as chaves de casa (alguns, o rumo dela, outros, a própria); perdemos a chance de acabar com a miséria no mundo só pra termos uns brinquedinhos a mais; perdemos a hora (alguns perdem o rolex)...

Perdemos uma vida vendo nosso time perder; perdemos o verde (e o Verdão, mais ainda); tem gente que perde anos adquirindo um patrimônio que será posto a perder pelos filhos, ou pela mulher, ou pela amante; perdemos a capacidade de amar e perdoar; perdemos a direção, a eleição, a ereção, a coordenação motora; perdemos a energia; perdemos a esperança; por fim, perdemos a saúde; perdemos o uso da massa cinzenta; e, quando é tarde demais, perdemos o medo, por não termos mais nada a perder, pouco antes da última e irrevogável perda.

E, no fim das contas, o que ganhamos com isso?

6 comentários:

  1. experiência..kkkkkk..beijos Magnânimo!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que até isso eu tô perdendo, Inevitável... rs... (além do prazer da sua companhia)

      Beijos,
      Léo.

      Excluir
  2. Hum meu Rei...
    Achei perdas demais kkk
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou colecionando, queridona! Hehe!

      Beijos do
      Léo.

      Excluir
  3. Há perdas que nos trazem ganhos imensos.

    Brutal!!
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Pedro, reconheço. Mas aí eu repito a pergunta do Chico: "Pra que tudo começou quando tudo acabar? rs

      Abração do
      Léo.

      P.S. Tô esperando aquela pizza antes de você se mandar!

      Excluir