domingo, 22 de setembro de 2013

Grafite na Agulha: 2) "Wave" na trilha da novela da Globo

O grande cantor carioca Denilson Santos é um parceiro que adquiri graças à internet (escrevi um pouco acerca de nossas parcerias aqui e aqui). Não o conheço pessoalmente, mas é um camarada que exala pelas palavras genteboíce, e saber ler palavras impressas é quase tão infalível quanto saber ler um olhar. Denilson tem um CD lançado (Do mundo), e está, pelo que ouvi, gravando o segundo, dedicado ao repertório da parceira Luhli. Ele aceitou prontamente meu convite e, antes que eu pudesse soletrar inconstitucionalissimamente, mandou-me seu depoimento, do qual gostei muito.

Só que, de cara, rolou um problema: Denilson falava mais de suas lembranças radiofônicas que discográficas. Ainda bem que, lá pelos 30 minutos do segundo tempo, apareceu o tal Água Viva (trilha sonora nacional da novela global homônima), que tirou o placar do zero. Achei interessante, sobretudo porque hoje discos de novelas são, em geral, sofríveis, mas, só de bater o olho no repertório da trilha da supracitada novela, fiquei impressionado com a qualidade. Quer dizer, lembrei-me de que essas trilhas costumavam ser boas. Água Viva não foi uma exceção, fez parte de uma regra de qualidade que, não sei a partir de quando, se perdeu. Após o texto de Denilson disponibilizei o link pra quem quiser ouvir o disco na íntegra. Na dúvida, basta ler o repertório, no final da página. Boa leitura/audição!

Wave na trilha da novela da Globo
Por Denilson Santos

Na minha infância e adolescência, no interior do Estado do Rio de Janeiro, a minha família não tinha condições de comprar discos com muita frequência. Quando muito, discos de Roberto Carlos e trilhas sonoras de telenovelas eram o máximo que nos permitíamos adquirir, uma vez por ano e olhe lá.

Desta forma, sempre fui muito mais impactado por músicas que escutava no rádio e na televisão do que propriamente por LPs. E, naquela época, esses meios de comunicação eram muito prolíficos em tocar músicas de vários estilos musicais e épocas. Minha cultura musical vem basicamente dessa época da minha vida. Elis, Clara, Caetano, Tom, Chico, Gil, Gal, Bethânia, Beth, Stevie Wonder, Michael Jackson, Toquinho, Milton, Dicró, Martinho, Bebeto, Fevers, Peter Frampton, Beatles, Ney, Dalto, 14 Bis...

... E também as músicas seresteiras que meu pai costumava cantar enquanto trabalhava, na oficina que mantinha nos fundos da nossa casa: Sílvio Caldas, Orlando Silva, Francisco Alves, Vicente Celestino... E músicas da "era Disco", que os garotos e garotas da minha idade lutávamos para escutar nas rádios AM cariocas, cujo fraco sinal, para ser captado, obrigava-nos a ir para o alto de ladeiras ou para andares altos de casas assobradadas. Todos esses artistas tocaram na trilha sonora da minha vida infanto-juvenil e me arrepiam até hoje, quando os escuto.

Denilson
Contudo, tudo mudou para mim quando, assistindo à telenovela Água Viva da Rede Globo, em 1980, escutei pela primeira vez João Gilberto, cantando Wave, de Tom Jobim. Aquilo foi algo transcendental para mim. Por algum motivo, nunca o havia escutado antes. Talvez porque ele não tocava no rádio, nem aparecia na tv. Recordo que achei o nome dele meio simples demais para um artista. Perguntei para a minha irmã quem era esse cantor tão diferente, e ela me respondeu: "Ah, ele é um cara tão famoso quanto Roberto Carlos." O "Rei" era o parâmetro de grandeza para nossa família, assim como para todas as demais famílias brasileiras desde aquela época.

Eu fiquei tão hipnotizado por aquele som, que eu nunca tinha escutado antes, que pedi aos meus pais que comprassem a trilha sonora dessa novela, como presente de Natal para mim. Imediatamente procurei de volta o violão, que meu pai tinha me dado havia dois anos e pelo qual eu não tinha me interessado muito, e comecei a brincar de tocar, tentando reproduzir timidamente aquela mágica. E nunca mais encarei a entidade "música" da mesma forma.

João Gilberto foi o primeiro grande estopim artístico da minha vida. E até hoje eu o reverencio.

***

Água Viva - Trilha Sonora Nacional (1980 - Som Livre)
Lado A
1. Grito de Alerta - Maria Bethânia
    (Gonzaguinha)
2. Desesperar Jamais - Simone
    (Ivan Lins - Vitor Martins)
3. Altos e Baixos - Elis Regina
    (Suely Costa - Aldir Blanc)
4. 20 e Poucos Anos - Fábio Jr.
    (Fábio Jr.)
5. Noites Cariocas - Gal Costa
    (Jacob do Bandolim - Hermínio Bello de Carvalho)
6. Menino do Rio - Baby Consuelo
    (Caetano Veloso)
Lado B
1. Realce - Gilberto Gil
    (Gilberto Gil)
2. Amor, Meu Grande Amor - Ângela Ro Ro
    (Ângela Ro Ro)
3. No Tempo dos Quintais - Elizeth Cardoso
    (Sivuca)
4. Peito Vazio - Lúcia Araújo
    (Cartola)
5. Wave - João Gilberto
    (Tom Jobim)
6. Cais - Milton Nascimento
    (Milton Nascimento - Ronaldo Bastos)

***

Ouça a trilha sonora (quase) completa aqui:


Não consegui achar Peito Vazio com Lúcia Araújo, então fui buscar no Youtube:


***



10 comentários:

  1. Não gosto do João Gilberto: tem um humor de gente que sofre de colite. Azedo demais pra o meu gosto. Mas gosto de você, Denilson. Demais! Lucia Helena Corrêa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lucia! Sim, mas essa trilha tem bem mais que João Gilberto, não? Uma preciosidade!

      Beijos e grato pela visita,
      Léo.

      Excluir
  2. Que saudade de quando a TV e o rádio tocavam música boa! Muita saudade!!!
    Beijos,
    Danny.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Né não, Danny? Ainda mais porque hoje existe uma galera que poderia dar continuidade a tudo de bom que as gerações anteriores nos deixaram. Mas os tempos são outros... Azar de quem hoje nem pode saber se algo é bom ou não por falta de parâmetro...

      Beijos,
      Léo.

      Excluir
  3. Essa trilha é inesquecível. Que bom ler essas palavras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Márcia! Grato pela visita!

      Abraço,
      Léo.

      Excluir
  4. Uma das melhores trilhas de novela, com um repertório sem reparos. Quanta diferença para as novelas de hoje... Apesar de existirem canções dignas de aplausos, inexplicavelmente as selecionadas para as novelas são sofríveis, com raras exceções. Eu, não sofro tanto, só quando escuto na TV, porque comprar... não compro mais. Me deliciei com tuas recordações, que compartilho na reverência ao João Perfeição.
    Regina Makarem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Regina, querida! Grato pela visita e pelas palavras. E continue em sintonia! Vem muita coisa legal por aí!

      Beijo,
      Léo.

      Excluir
    2. Não acho essa trilha tão boa, ela é melhor de nomes do que de canções. "Grito de Alerta" é uma daquelas bombas atômicas que fazem a gente lembrar que o gosto da Maria Bethânia merece ressalvas sempre... Mas "Cais" com o Milton e "Wave" com o João Gilberto salvam qualquer disco, são daqueles momentos sobrenaturais que a canção às vezes nos oferece.

      Excluir
    3. Salve, Alexandre!

      Meu caro, respeito sua opinião (como sempre), mas, tendo em conta que se trata da trilha de uma novela, que se pretende popular, esse apanhado de canções considero de um nível muito bom. Se pensarmos em que o mais próximo a que podemos chegar nessa trilha do que hoje chamamos "bregas" eram Fábio Jr. no auge da carreira; Bethânia cantando rasgadamente uma canção de Gonzaguinha; e Ângela Rô Rô, inspiradíssima, só temos a lamentar as trilhas atuais. Sem falar em Cartola, Gil, Ivan, Jacob e... Baby cantando Caetano! Tudo isso soa hoje a meus ouvidos algo tão impensável, que simplesmente não tenho o que criticar. Mas, claro, dentro do gosto pessoal de cada um, houve outras melhores.

      Abração,
      Léo.

      Excluir