segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Crônicas Desclassificadas: 22) Buenos Aires e Caiubi

Pela segunda vez em Buenos Aires, (bem) acompanhado por Kana e Élio Camalle, passei cinco memoráveis dias que me resultaram como uma injeção de ânimo na alma. Com o real valendo cerca de 2,50 pesos, o prazer de desfrutar em boa companhia uma suculenta refeição com um bom vinho era redobrado. Contudo, esteve sempre presente certo constrangimento de, digamos, novos ricos, pois não é sem dor que nos deparamos com gastos excessivos assistindo a um país tão belo passar por tamanha crise.

Um país onde taxistas são pessoas cultas é sempre um bom parâmetro social. Encontramos um recepcionista de hotel que tocava bateria e, inclusive, já tinha sido jogador de futebol profissional. O prédio do Governo estava com sua frente coberta por uma foto gigante de seu maior romancista, Ernesto Sabato. Fiquei pensando: se o mesmo ocorresse no Brasil com, por exemplo, Machado de Assis, quantas pessoas poderiam identificá-lo? Aliás, o mais provável é que a foto fosse de Paulo Coelho, que nos representa com mais autoridade... Na calçada de uma praça havia letras de canções que citavam a cidade, uma delas, de Joaquín Sabina (Con la Frente Marchita). Impensável por aqui, não?

Claro que sou um romântico e procuro ver o lado positivo das coisas, mas é óbvio que eles estão anos a nossa frente, embora estejamos mais endinheirados que eles. Aliás, tampouco isso é verdade, o que acontece apenas é que nossa moeda está mais valorizada, o que facilita viajarmos pra lá e lhes dificulta vir ao Brasil. Mas, pra não ficar no confete, cito dois aspectos negativos: depois das 11 da noite é proibido vender bebida alcoólica em estabelecimentos que ainda estejam abertos a essa hora, exceção feita se for num restaurante onde entremos pra jantar (pra muitos isso é um aspecto positivo). Por falar em jantar, este é o outro ponto, depois da meia-noite, quem ainda procura um restaurante aberto vai, provavelmente, passar a noite com fome, pois vai ser difícil achar um.

Mas, sim, o tango vai bem, gracias. Os músicos e dançarinos estão nas ruas vendendo sua arte; as livrarias estão por toda parte; enfim, a atmosfera (esses bons ares) é altamente cultural. A determinada altura da avenida 9 de Julio encontramos desenhados num muro capas de discos históricos do rock argentino; e, entre uma e outra caminhada, pedíamos mais um bife de chorizo e, claro, mais um vinho.

Minha querida amiga e parceira Marcela Viciano, sempre prestativa, levou-nos a alguns interessantes lugares, como La Catedral, onde dão aulas de tango seguidas de baile e, por último, uma banda toca tangos ao vivo. Ali, sem querer, inventamos mais uma piada pra uso particular, a dos "dos pesos", mas não a vou explicar, pra que continue sendo pra uso particular.

Marcela nos levou também a um charmoso restaurante no bairro de San Telmo chamado El Federal, onde passamos bem demais da conta. Aliás, San Telmo parece o Bixiga dos velhos tempos (bem velhos, infelizmente). E, por último, ainda marcou pra Kana e Camalle um pocket-show que finalizou a noite autoral do Caiubi argentino. E falar em Caiubi argentino é algo que me enche de orgulho, pois fui eu quem a apresentou ao nosso, que lhe agradou tanto a ponto de fazê-la "comprar" essa ideia.

Cinthia e Rodrigo (CYR Dúo)
E presenciar aquela noite foi algo que me fez voltar no tempo, mais especificamente àquelas primeiras noites na rua Caiubi, 420. O Caiubi argentino me remeteu a elas. Público pequeno, mas caloroso; artistas talentosos e inspirados; o silêncio em respeito à execução das canções; vez por outra subia alguém pra contar "causos"; a música instrumental esteve presente; enfim, uma noite pra se guardar no baú de lembranças preciosas. Ah, sem falar na alegre desenvoltura de Kana, que, pra variar, contagiou o público com suas belas canções e seu natural carisma, e ainda "sobrou", com um discurso em (quase) impecável espanhol. Por último, Camalle, dando um show à parte, profissional e vibrante como sempre, independente da língua da plateia. Por falar nisso, um dos pontos altos de sua apresentação foi uma versão (minha, por supuesto) em espanhol de sua Volta ao Mundo, numa execução pra portenho nenhum botar defeito. Tenho que acrescentar que também tive meus quinze minutos de glória, pois fui chamado ao palco pra contar um pouco de nossa história caiubista, e confesso que o vinho me destravou a língua talvez um pouco além da conta. Por pouco não voavam tomates...

Esqueci de dizer que o lugar era uma charmosa livraria, a Librería-Bar Sudeste, bem no coração da tão cantada avenida Corrientes, à altura do nº 1773. Lugar que não esquecerei, pois foi onde fiz novos amigos e, quiçá, parceiros, dando continuidade a este meu quixotesco sonho de ser um Che Guevara da música. Mas, antes de virarem realidade, não terão sido quixotescos todos os sonhos?

O tempo, contudo, foi tão curto, que, com essa mania de deixar tudo pra última hora, acabei voltando sem ter comprado nenhum livro. Mas cosegui trazer uma boa dúzia de CDs (sim, eu ainda os compro!). E, vejam só, comprei o novo do Chico por 56 pesos, algo em torno de... 22 reais! Recomento El Ateneo, um lugar indescritível de tão lindo, uma festa pros olhos, onde facilmente as horas passam num piscar; e a Zivals, menor, mas igualmente eficiente.

No mais, é impossível ir a Buenos Aires sem fazer turismo. O pretexto de ter convidado Camalle a ir conosco (ele ia pela primeira vez) foi só um motivo a mais pra visitar de novo La Boca, Recoleta, Puerto Madero... No final das contas, não ter comprado nenhum livro não me chateou tanto assim, pois tenho a impressão de que voltarei em breve. "Mi Buenos Aires querido, cuando yo te vuelva a ver, no habrá más pena ni olvido".

4 comentários:

  1. ai que delícia!!!!amoooooooooo Caminito!!!!

    ResponderExcluir
  2. Eu também, Daisoca! E os tantos outros caminhos (pequenos ou não) das "calles" buenairenses.

    Besos,
    Léo.

    ResponderExcluir
  3. que lindoooo!! Gracias!!
    el bar de San Telmo donde almorzamos se llama "El federal", que rico todo, no?
    la próxima vez, vengan con mas tiempo!! hay muchísimos lugares para conocer la "otra cara" de Buenos Aires, igualmente interesante, y con sus cosas no tan lindas también..igualmente adhiero a esa decisión de ver siempre el lado bueno de las cosas, soy una optimista incorregible!!
    abrazos saudosos!!

    ResponderExcluir
  4. Gracias por todo, Marce! Seguro que volveremos pronto. Y ya voy a añadir el nombre del bar, gracias.

    Besos,
    Léo.

    ResponderExcluir