quarta-feira, 18 de julho de 2012

Notícias de Sampa: 4) O Fim do Mundo e Outras Eternidades

Casa das Rosas apresenta
o show O Fim do Mundo e Outras Eternidades
dentro do sarau Chama Poética
cuja temática será Tempo & Movimento
organizado por Fernanda de Almeida Prado (que também apresenta e declama)
participação especial da poeta Raiça Bonfim

sábado, 21 de julho
às 19h
GRÁTIS
av. Paulista, 37
Sampa-SP-Brasil-América do Sul-Terra-Sistema Solar

***

Para a cantora japonesa Kana parecia o fim do mundo, mas não, era apenas o Brasil. Faz dezessete anos daquele dia até hoje, uma eternidade! Ela aprendeu português, estudou violão, viajou Brasil afora (e adentro), conheceu inúmeros outros ritmos que não a bossa nova, começou a compor, conheceu o letrista cearense Léo Nogueira e com ele fez tanta música e ganhou tantos prêmios em festivais, que a parceria só podia mesmo resultar em casamento! Gravou três CDs, lançou-os no Brasil e no Japão, conheceu o Clube Caiubi, virou parceira de outros compositores, como Élio Camalle e Zeca Baleiro, e o tal do mundo não se acabou!

Daí apareceu em sua frente, trazido por mãos do mesmo Élio Camalle, o grandalhão (e grande!) Gabriel de Almeida Prado, um jovem músico e compositor de 22, ôps!, 23 anos. Seria o fim do mundo? Não, era apenas o começo de outra parceria. Mas, anteriormente a isso, na pequena eternidade de Gabriel antes de ser apresentado a Kana, este havia trocado a flauta pela guitarra e esta pelo violão, de onde tirou não só os primeiros acordes, mas também as primeiras melodias... E também as primeiras letras, afinal, neto de poeta... Conheceu Kléber Albuquerque, que de professor passou a parceiro, Élio Camalle, que de parceiro passou a amigo, Léo Nogueira, que de amigo passou a parceiro e também passou-lhe algumas melodias de Kana.

Mas antes disso, um fim de mundo antes, enquanto Kana fazia shows por Japão, Itália e Paraguai, Gabriel dava os primeiros passos como cantor e instrumentista nos saraus organizados por sua mãe, Fernanda de Almeida Prado, o Chama Poética. E, enquanto Kana gravava seus CDs, ele burilava seu estilo apresentando-se pra mil pessoas no Festival da Palavra, na cidade de Assis! Achou que era o fim do mundo e que o show duraria uma eternidade. Mas sobreviveu a ambos, fim do mundo e eternidade.

Kana ia pro Japão e de lá voltava, ano após ano, enquanto Gabriel se apresentava em Sescs do interior e do litoral e em outros espaços culturais de São Paulo. O mundo seguia firme, entre um abalo e outro. As guerras, sim, existiam, mas só lá no fim do mundo. E Gabriel descobriu a casa de Kana e Léo e não saiu mais de lá. Cada ida, uma canção (às vezes duas). Um dia, estando lá mais uma vez, desta feita com Élio Camalle, Kana lhe mostrou a melodia de uma espécie de frevo russo (?). Ela deu o título: O Fim do Fim do Mundo. Não, não durou uma eternidade, não durou nem meia hora... Uns vinte minutos, vá lá, e a letra estava pronta, composta a seis mãos por Gabriel, Camalle e Léo.

Depois desse pequeno e, quiçá, premonitório sucesso, Gabriel não deixou de participar mais dos shows de Kana. Até que, outra pequena eternidade depois, amparados (e animados) pelo carro-chefe, foram convidados por Fernanda a dividir o palco num show, sim, este do título lá em cima, O Fim do Mundo e Outras Eternidades. Nele dividirão vocais, violões, Kana emprestará seu timbre a canções Gabriel, que, por sua vez, interferirá nas canções de Kana. Ou seja, vai ser um fim do mundo! Na pior das hipóteses, um deus-nos-acuda!

Não faltarão sucessos de ambos (entenda-se por "sucessos" aquelas canções que seus fãs cantam espontaneamente, às vezes até saindo do chão, mas sem jabá); Kana promete cantar Bye, Bye Japão (Kana Léo), Balão (Doki Doki) (Kana, Camalle e Léo), O Amor Viajou (Kana e Zeca Baleiro) e outras eternidades. Gabriel tergiversa, faz catimba, quer esconder o jogo que nem alguns técnicos de futebol; avisa apenas que não terá como não cantar uma ou outra parceria com Kléber, Camalle... E Léo (senão este não libera a esposa pro evento). Ah, deverá cantar também alguma em parceria consigo mesmo, afinal ele é bom no gol e no ataque... Certeza, certeza mesmo, só O Fim do Fim do Mundo! O resto são eternidades...

Tudo isso sob a eterna batuta de Fernanda de Almeida Prado, responsável há anos por este sarau, que mescla música e poesia e já homenageou tanta gente, de Fernando PessoaGuimarães Rosa, de Charles Chaplin a Adoniran Barbosa; que já foi de haicais a sonetos; que já contou (e cantou) com Jean Garfunkel, Élio Camalle, Natan MarquesJosé Domingos... Afinal, enquanto o mundo não acabar, a chama (poética) de nossas pequenas eternidades continuará a arder no peito dos que amam.

...E quiçá também depois!



4 comentários:

  1. Sucesso ao projeto ! Super bonita essa apresentação, parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gratíssimo, Antonio Carlos!

      Abração,
      Léo.

      Excluir
  2. Oi.
    Com certeza! não é o fim do mundo.... senão o começo.
    Me gustó mucho el texto ! las dos historias paralelas y cómo concluyen, qué genial !!! me imaginé todo como viendo una película de aquellas en las que vemos lo que le pasa a dos personajes en sincronía pero en diferentes lugares y situaciones.... me gustó mucho!

    Qué chévere!, en un mismo sitio música y poesía... me gustaría tanto ir ...
    Muchos éxitos.
    Saludos.

    ResponderExcluir
  3. Gracias, Javier! Qué bien que te gustó la historia del texto. Su autor es muy buena onda, verdad? Jeje!

    Saludos,
    Léo.

    ResponderExcluir