quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Joaquín Sabina en Portugués: 9) Gabriel de Almeida Prado e a versão de "Corre, dijo la tortuga"

Este texto caberia tanto no Ninguém me Conhece quanto no Os Manos e as Minas, até mesmo no Trinca de Copas, mas calhou que o moço em questão topou participar deste meu projetinho e tascou sua (bela) interpretação de Corre, Dijo la Tortuga, assim que cá está ele no Joaquín Sabina en Portugués. Grande aquisição!

Trata-se do jovem... Sim, caros, os jovens também têm seu espaço neste espaço! Aliás, por falar nisso, tenho que admitir que Gabriel de Almeida Prado faz uma música de gente grande! E tenho que agradecer a Élio Camalle por ter me apresentado o moço.
A satisfação, que já era grande ao notá-lo grande compositor e dono de uma voz privilegiada, ficou imensa quando estreitamos os laços e pude perceber que rolava uma bela química entre nós que resultou em uma parceria cujo número aumenta a cada dia. Depois de Marcio Policastro, Gabriel tem sido um parceiro com quem mais a arte de compor tem se mostrado fácil e prolífica.

Tenho que dizer aos demais parceiros, principalmente àqueles que me mandaram melodias recentemente, que não se magoem com minhas palavras nem se sintam preteridos. É que letrar uma melodia é tarefa que requer tempo e inspiração, ao passo que fazer uma letra antes é mais fácil (pois moldamos a "imaginária" melodia de acordo com a métrica da qual necessitamos em nossa suposta letra). Ainda mais quando atiçado pelo frescor (não confundir com frescura!) da juventude de Gabriel, o Gabo, que tem sido generoso comigo ao compartilhar letras que poderia fazer só, o que acaba me motivando a retribuir a gentileza, razão pela qual nossas crias têm se multiplicado. 

Mas isso é assunto pra um futuro Trinca de Copas. Vamos a Sabina! Pois bem, Corre, Dijo la Tortuga é uma deliciosa canção (na qual a verve "sabineira" aparece escancaradamente) que faz parte do excelente CD Mentiras Piadosas, que veio ao mundo em 1990. Mas não chegou por aqui, como, aliás, toda a obra deste genial compositor que pode caminhar tranquilamente pela calçada da avenida Paulista sem ser abordado por viva alma. Considerações à parte, a ideia de convidar o Gabo a cantar essa canção nasceu de um papo que tivemos no qual ele me disse curtir bastante o trabalho da mexicana Julieta Venegas. Imediatamente me lembrei de que ela gravara Corre... num CD chamado ...Entre Todas las Mujeres, no qual várias cantoras de língua espanhola cantam canções de Sabina.

Como a citada canção era uma das que eu vertera ao português, enviei-lhe a letra da versão e as duas gravações, a de Julieta e a de Sabina. Pra meu espanto ele preferiu a do próprio autor, o que, confesso, me alegrou. E me alegrou mais ainda receber a gravação que ele fez de minha versão, inclusive achei bacanas as ideias de arranjo (mandou bem, Gabo!). Notem como a introdução lembra uma tartaruga correndo (estarei viajando?). Bem, deixemos de prosa, senão a tartaruga foge (e o cara que nunca saiu da cidade resolve viajar), e vamos ao que interessa, que é a canção. Espero que curtam tanto quanto eu:

CORRE, DISSE A TARTARUGA
Antonio García de Diego - Joaquín Sabina/versão: Léo Nogueira

Corre, disse a tartaruga; vem me pegar, disse o covarde;
Já tô de volta, disse um cara que nunca saiu da cidade;
Salva-me, disse o carrasco; sei que foi você, disse o culpado;
Cala a boca, disse o surdo; hoje é quinta, disse a terça;
E não perfume frases que me façam cair na conversa
Quero ficar só comigo
Com o íntimo inimigo que se esconde num porão do meu coração
O receoso, o fugitivo, a face oculta de um refém
O filho bastardo da cautela
O que apenas se revela, se eu me revelar também
O caprichoso, o orgulhoso,
O outro, o cúmplice traidor

Eu tô falando é com você, que nunca escuta meus conselhos
Eu tô gritando é pra você do outro lado do espelho
Que tá cansado de viver aí chorando de joelhos
A quem nada devo além do empurrão que ontem
Me fez cometer essa canção

Não minta, disse o mentiroso; passe bem, disse o coveiro;
Não perca a sua alma, disse, pesando a carne, o açougueiro;
Prova-me, disse o veneno; ama-me com o ódio dos amantes
Qual seu preço?, disse o gângster; tô limpo, disse o traficante;
Já tava me entregando quase a ponto de explodir as bases,
Quando, à beira do caminho,
Uma flor, com seus espinhos, me cegou, e eu pude ver lábios de mulher
Que tal me pagar um trago?
Eu te levo aonde quiser
Quando bebo, gosto de um afago
Eu lhe perguntei quem era. Disse que era mais de mil:
A puta, a santa, a bruxa, a fada… Falou calada e me sorriu

A original:

CORRE, DIJO LA TORTUGA
Antonio García de Diego - Joaquín Sabina

Corre dijo la tortuga, atrévete dijo el cobarde,
estoy de vuelta dijo un tipo que nunca fue a ninguna parte.
Sálvame dijo el verdugo, sé que has sido tú dijo el culpable.
No me grites dijo el sordo, hoy es jueves dijo el martes
y tú no te perfumes con palabras para consolarme
déjame sólo conmigo,
con el íntimo enemigo que malvive de pensión en mi corazón,
el receloso, el fugitivo, el más oscuro de los dos,
el pariente pobre de la duda.
El que nunca se desnuda si no me desnudo yo,
el caprichoso, el orgulloso,
el otro, el cómplice traidor.

A ti te estoy hablando, a ti, que nunca sigues mis consejos,
a ti te estoy gritando, a ti, que estás metido en mi pellejo,
a ti que estás llorando ahí, al otro lado del espejo,
a ti que no te debo, más que el empujón que anoche
me llevó a escribir esta canción.

No mientas dijo el mentiroso, buena suerte dijo el gafe,
ocúpate del alma dijo el gordo vendedor de carne,
pruébame dijo el veneno, ámame como odian los amantes.
Drogas no, dijo el camello, cuanto vales dijo el ganster,
A punto de rendirme estaba a un paso de quemar la naves,
cuando al borde del camino,
por dos veces el destino que hizo un guiño en forma de labios de mujer.
Nos invitas a una copa, yo te secaré el sudor,
yo te abrazaré bajo la ropa.
Y quien va a dormir conmigo, ni lo sueñes contestó,
una indignada, y otra encantada no dijo nada y sonrió.

***

PS: Essa montagem da foto ficou nada a ver, hem, Léo?

***



***


23 comentários:

  1. Gabriel de Almeida Prado24 de novembro de 2011 04:30

    Ô Leoncio...
    Obrigado pelos elogios. Fico muito feliz que você gostou da gravação. E fico feliz também por ser seu parceiro. É ótimo dividir palavras com quem sabe brincar com elas, e com quem sabe dividi-las.
    Mas, voltando ao assunto principal, foi uma experiência muito boa ter feito parte deste seu projeto com músicas do Sabina.
    Quando você me falou, nunca havia ouvido sequer falar a respeito desse compositor.
    No primeiro momento, ouvi a música e a deixei de lado, pois na mesma época do convite para esta gravação fiquei adoentado. (olha, até rimou hahaha) Mas quando começei a me recuperar, começei a viciar na música.
    A letra é maravilhosa, tem algo de ácido mas também algo de ingênuo. E sua versão é muito respeitosa com a original, sem deixar de ser criativa e "leonogueirística" (uma maravilha).

    Parabéns pelo trabalho belíssimo.

    Valeu Léo. E vamos que vamos com nossas parcerias. E "simbóris" tomar umas cervejas.
    Abração

    Gabriel de Almeida Prado

    ResponderExcluir
  2. Acreditar que a juventude tem chance de mudar muitas coisas nessa geração é uma verdade que eu abraço. O Gabriel, que estou conhecendo agora, se mostra aberto a boas letras e isso é muito bom...! A descoberta foi boa Léo, parabenizo essa parceria interessante.

    ResponderExcluir
  3. Gabo:

    Tamos juntis! E obrigadaço por ter participado da parada! Valeu mesmo!

    E bora tomar essa cerveja antes que esquente!

    Marta:

    Acho que juventude e experiência são coisas complementares. Quando ambas têm a humildade de trabalhar lado a lado, os dois lados tendem a crescer, pois a vitalidade juvenil de um somada ao conhecimento adquirido costumam dar bons frutos.

    Beijão do
    Léo.

    ResponderExcluir
  4. Gabriel de Almeida Prado24 de novembro de 2011 10:13

    É isso ae Léo... nós que somos jovens temos que fazer coisas com gente idosa como o Élio Camalle por exemplo ahahahaha...
    É a cota pra velhinhos hahaha
    (quando ele ver isso ele vai querer me socar hahaha)

    ResponderExcluir
  5. Gabo:

    Eu já pensava isso quando comecei a compor com ele já lá se vão uns quinze anos (ou mais). De forma que ou o cara é um Dorian Gray... ou é Matusalém! Hahaha!!!

    Abraços jóvis do
    Léo.

    ResponderExcluir
  6. como você mesmo diz, magnânimo! Esse menino é talentoso! gostei muito da versão. beijos

    ResponderExcluir
  7. Gabriel de Almeida Prado24 de novembro de 2011 10:28

    É por isso que o nome artístico dele não deveria ser Élio Camalle...e sim Vélio Camello...
    hahaha

    ResponderExcluir
  8. Parabéns manim!
    Fico aqui admirada com a sua voz, suas composições, novas parcerias e arranjos!
    Orgulho docê!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Gabiru mandou muito bem!!! É muito bonito e interessante ver sua evolução como cantor, musico e compositor... Parabens!

    ResponderExcluir
  10. A música ficou muito boa, belo arranjo e o Gabriel canta muito bem...ficou sensacional

    ResponderExcluir
  11. Ó lá Gabiroba!!! Show de bola! Cada vez mais mandando ver no que tá aí na sua veia e alma: MÚSICA! Parabéns ae rapá! E que tenha mais e mais sucesso pois és merecedor!!!

    ResponderExcluir
  12. Caramba Gabiroots, cada vez mais irado, heim mano!?
    Parabéns irmão, pela perseverância e pela evolução.
    Quando a parada é feita com a alma só tem um resultado... Parabéns muleke!

    bjs.

    ResponderExcluir
  13. Gabo, desse jeito você vai deixar o Sabina famoso por aqui também, hem? Hahaha!!! Mó tiro certeiro!

    Caríssimos todos, Daisoca e demais amigos gabrielísticos, agradeço pela visita e pelas palavras. Sintam-se em casa e voltem sempre.

    Abração do
    Léo.

    ResponderExcluir
  14. Gabriel, Sempre que mãe escreve dizem que é coruja...mas de verdade sinto me feliz demais por acompanhar seu crescimento musical. Esta versão ficou linda e na sua voz mais ainda. Além do talento que nasceu com você, tem a ousadia, perseverança e vontade de mostrar seu trabalho. Parabéns meu filho querido!Você mandou muito bem e tem mostrado a que veio. Continue mais e mais..você vai londe. Beijo da Mima

    ResponderExcluir
  15. Olá, Fernanda!

    Agradeço pela visita e pela parte que me cabe nos elogios. No mais, também estou muito contente e agradecido ao Camalle por ter me apresentado ao Gabriel, com quem venho fazendo uma série de inspiradas canções.

    Grande abraço do
    Léo.

    ResponderExcluir
  16. Gabriel, você sabe como torço pelo seu sucesso. Você é jovem, sim, mas já tem um belo amadurecimento na sua caminhada musical. Para as pessoas que, como eu, acompanham seu crescimento nesses anos, tudo isso é claramente visível e não é por acaso porque você tem se empenhado, estudado e feito parcerias bacanas com pessoas mais bacanas ainda. Parabéns para o Léo Nogueira que acreditou em você. Parabéns, Gabiru, tá mandando muito bem, garoto! Bjs

    ResponderExcluir
  17. Olá, Jacinta!

    Grato pela visita e pelas palavras. Volte sempre!

    Abração do
    Léo.

    ResponderExcluir
  18. Que gostoso vir aqui te visitar, Léo, e encontrar tão rico trabalho! Bom também vê-lo ainda mais enriquecido com a participação do Gabriel, que a cada dia tenho admirado ainda mais. Parabéns, Léo, e parabéns Gabriel, pela interpretação de Sabina. Ficou muito legal, mesmo! Bjs.

    ResponderExcluir
  19. Esther, querida. Saudades.

    Bom te saber por perto.

    Beijão do
    Léo.

    ResponderExcluir
  20. Gabiru!
    Feliz e orgulhosa por vc.
    Tambem agradecida por ter o privilégio de ter te conhecido.

    Parabéns =]

    ResponderExcluir
  21. Salve, salve fiote, exelente interpretação! Musico, cantor e compositor, e um super gente bôa! "BENZADEUS...Ô SORTE"!!! Vai nessa
    Abraços
    Irineu de Palmira
    www.irineudepalmira.com.br

    ResponderExcluir
  22. Gisa, Irineu:

    Grato pela visita.

    Grande abraço do
    Léo.

    ResponderExcluir